Home Comportamento Atitude Os tempos mudam e os carros vão ficando para trás
Os tempos mudam e os carros vão ficando para trás

Os tempos mudam e os carros vão ficando para trás

0
1

Cada vez mais os jovens pensam no futuro do planeta e em um mundo mais sustentável para os próximos anos. Mais uma prova disso pode ser vista nos resultados do Projeto O Sonho Brasileiro, iniciativa da empresa Box1824 para mapeamento de comportamentos no Brasil. Nas pesquisas realizadas, viu-se uma geração mais preocupada com a poluição gerada pelos automóveis, além do congestionamento de espaço e bloqueio da circulação.

A mudança de pensamento já havia sido evidenciada em março de 2012 por um artigo do The New York Times. Escrito pela jornalista Amy Chozick, mostra que os jovens estão buscando meios de consumo que agridam menos o meio ambiente e transforme mais positivamente a relação entre as pessoas. Justamente nesse aspecto tem-se menos vontade de possuir um carro do que em décadas passadas.

O artigo de Chozick aponta que, para muitas gerações, o carro foi símbolo de autonomia e liberdade, mas hoje não é mais possível fazer esse tipo de relação. Os jovens perceberam que os benefícios trazidos pelo meio de transporte são bem menores do que os prejuízos causados por ele.

Montadoras sentem a mudança

Um dos exemplos citados pelo artigo é o caso da montadora GM. A empresa é uma das maiores do mercado automobilístico, mas anda com déficit em suas vendas justamente por essa mudança comportamental dos jovens de hoje.

Mesmo com uma campanha realizada em parceria com a MTV Scratch – grande influenciadora da garotada norte-americana – não houve grandes mudanças de preferência e necessidade quanto às opções de veículos. Mesmo com lançamentos de carros que, aparentemente, supririam todas as necessidades dos jovens, as vendas não atingiram o objetivo de 170 bilhões de dólares anuais, valor médio de consumo em anos anteriores.

Amy Chozick ainda cita outra pesquisa realizada pela Scratch, mais de uma década antes – entre 1981 e 2000 – mostrando que o desinteresse pelos automóveis já era aparente. “A Scratch perguntou quais eram as suas 31 marcas preferidas. Nenhuma marca de carro ficou entre as top 10, ficando bem abaixo de empresas como Google e Nike”, diz a jornalista.

A pauta ainda cita outra fonte: a agência Gartner e sua pesquisa que mostrou a preferência de 46% de jovens motoristas por internet ao invés de carros.

E você, tem percebido essa mudança de comportamento ao seu redor?