1. Home
  2. Mobilidade
  3. Urbana
  4. Ativista holandesa é eleita 1ª “prefeita da bicicleta” do mundo
Ativista holandesa é eleita 1ª “prefeita da bicicleta” do mundo

Ativista holandesa é eleita 1ª “prefeita da bicicleta” do mundo

0
0

A Holanda é um dos países que possuem a cultura ciclística mais enraizada na sua população e a sua capital Amsterdã talvez seja o maior ícone mundial do estilo de vida sobre duas rodas. Apesar disso, os holandeses sabem que precisam de mais avanços na questão e, para ajudar neste processo, uma eleição foi realizada para eleger a primeira “prefeita da bicicleta” do planeta.

Aos 28 anos de idade, a ativista Anna Luten foi a escolhida para representar os interesses dos ciclistas junto aos governantes locais a fim de promover melhorias contínuas nas condições para quem pedala de um lado para o outro na cidade de cerca de 800 mil habitantes que, para alguns, parece ter mais bicicletas do que pessoas.

A ativista Anna Luten agora é a prefeita da bicicleta de Amsterdam.
A ativista Anna Luten agora é a prefeita da bicicleta de Amsterdam.

A missão da nova “prefeita” será mediar assuntos relacionados ao tema biker envolvendo governantes, urbanistas, planejadores do transporte público, estudantes, turistas, ou seja, todos que fazem parte da sociedade. A criação de novos tipos de vagas para estacionamento de bikes, o estímulo ao crescimento do ciclismo em zonas mais distantes do centro da cidade e o respeito às regras de etiqueta entre ciclistas são algumas das pautas defendidas por Anna.

Mas de onde surgiu essa ideia e como ela saiu do papel? De pessoas com atitude para fazer a diferença e que contam com um cenário político que dá espaço para o povo falar. A organização civil Cyclespace, formada por arquitetos, urbanistas e outros profissionais, foi quem lançou o plano da eleição através de um processo misto, com a participação de um júri especializado e também dos votos da população via internet.

E a Cyclespace não quer parar por aí. A ideia da organização é exportar a ideia da eleição de mediadores para assuntos públicos importantes. Pequim e São Paulo são duas das cidades consideradas chaves pelo projeto e que podem seguir o mesmo modelo no futuro.

Fotos: Reprodução / Cyclespace